TEC
Teatro Experimental de Cascais

PETER PAN

versão Miguel Graça

a partir de James W. Barrie

TEC Teatro Experimental Cascais
152ª produção | 2017
 

PETER PAN
versão Miguel Graça
a partir de James W. Barrie

encenação Carlos Avilez
cenografia | figurinos Fernando Alvarez
coreografia movimento Mónica Alves
coreografia luta Eugénio Roque
direcção de montagem Manuel Amorim
contra-regra | montagem Rui Casares
desenho som surround | operação de som Hugo Neves Reis
assistência de ensaios | operação de luz Jorge Saraiva
estagiário de encenação Rodrigo Aleixo
mestra de guarda-roupa Rosário Balbi
execução de costura Estela Costa, Helena Figueiredo, Luísa Nogueira, Palmira Abranches, Teresa Balbi
fotografias de cena Ricardo Rodrigues
secretariado Inácia Marques
contabilidade Ana Landeiroto
funcionário de bilheteira Rodrigo Aleixo
assistência ao espectáculo Marisol Oliveira | Patrícia Fonseca
manutenção de figurinos Clarisse Ribeiro


interpretação (Centro Colombo, Set. 2017)

André Marujo, Bárbara Branco, Caio Almeida, Catarina Robim, Catarina Silva, FF (Peter Pan), Henrique Carvalho, Hugo Nicholson Teixeira, João Fialho, João Pecegueiro, João Santos, José Matos de Oliveira, Luís Duran, Luiz Rizo, Maria Roque, Pedro Peças, Pedro Russo, Rafael Santos, Renato Pino, Rúben Costa, Rúben Teixeira, Sérgio Silva, Teresa Côrte-Real, Teresa Jerónimo

e a participação especial de Ruy de Carvalho


interpretação (Teatro Municipal Mirita Casimiro, Nov. e Dez. 2017)

André Marujo | Bárbara Branco | Catarina Silva | Diogo Martins | Hugo Nicholson Teixeira | João Fialho | João Pecegueiro | João Santos | José Condessa (Peter Pan) | José Matos de Oliveira | Luís Duran | Luiz Rizo | Maria Roque | Pedro Peças | Pedro Russo | Renato Pino | Rafael Santos | Rúben Costa | Sérgio Silva | Teresa Côrte-Real | Teresa Jerónimo

e a participação especial de Ruy de Carvalho

distribuição

Narrador Ruy de Carvalho
Peter Pan  FF (Centro Colombo) / José Condessa (Cascais)
Nana Pedro Peças
Wendy Bárbara Branco
Michael Pedro Russo
John João Pecegueiro
Sra. Darling | Sereia Teresa Côrte-Real
Sr. Darling | Crocodilo Sérgio Silva
Sininho José Matos de Oliveira
Adeusinho João Fialho
Maizómenos Hugo Nicholson Teixeira
Capitão Gancho Luiz Rizo
Estrelado Diogo Martins
Viscoso Renato Pino
Lily Tigresa Teresa Jerónimo
Indios | Fadas | Rapazes perdidos André Marujo | João Santos | Luís Duran | Rúben Costa
Sereia/Criada Catarina Silva
Jovens Maria Roque | Rafael Santos

Tal como Hamlet
Tal como Hamlet, Ulisses ou Dom Quixote, Peter Pan é uma personagem maior que a obra onde nasceu, pertencendo agora a um imaginário mitológico onde se inserem figuras literárias que preenchem a nossa imaginação mesmo que essa imagem seja muito diferente da original. Dito por outras palavras, ainda que a maior parte das pessoas não tenho lido Hamlet, Odisseia ou D. Quixote, há uma ideia reminiscente sobre cada uma das três personagens, e o mesmo se passa com Peter Pan, mesmo sem ler a obra de J. M. Barrie, todos sabemos alguma coisa sobre Peter Pan, nem que seja que este rapaz que habita a Terra-do-Nunca diz repetidamente: «don't grow up, it's a trap», algo que Peter Pan nunca diz e que J. M. Barrie nunca escreveu.
Criada em 1902, a personagem de Peter Pan surge pela primeira vez em The Little White Bird, um romance de Barrie, para dois anos mais tarde ganhar a dimensão que lhe conhecemos na peça Peter Pan, or the Boy Who Wouldn't Grow up, adaptada para um outro romance em 1911, intitulado Peter and Wendy.
Na verdade, Wendy é a mais interessante personagem da história, uma vez que, ao contrário de Peter, está efectivamente interessada em conhecer o mundo que a rodeia, em descobrir o que se encontra no desconhecido, ao passo que ele - que se resume a um egocêntrico incapaz de perceber que há algo mais para além dos seus desejos egoístas - está disposto a abdicar de tudo (o Amor, primeiro, e, no final, de forma ainda mais trágica, da Memória) em nome de uma identidade vazia em que tudo é uma aventura, desde que se seja o protagonista.
Peter Pan é, nesse sentido, o confronto entre a tragédia de alguém que se recusa a viver a vida normal das pessoas normais (Peter) e de outra (Wendy) que quer apenas a normalidade da vida normal. E nós, como não alcançamos uma coisa nem outra, porque não conseguimos alcançar nem uma nem outra coisa, somos ao mesmo tempo Peter e ao mesmo tempo Wendy, a querer viver fechados e separados do mundo, e a querer integrar-nos e a fazer parte de qualquer coisa, sempre à procura da Terra-do-Nunca.

Miguel Graça

M/6 anos
75 min. sem intervalo  

agradecimentos Paula Rego | Marlborough Fine Art | Astrid Sauer | Catarina Alfaro | Paula Fialho

9 SETEMBRO 2017
Praça Central - Centro Colombo

13 NOV. a 24 DEZ. 2017
Sex. 21h30 | Sáb. 16h00 e 21h30 | Dom. 11h00 e 16h00 (24 DEZ. | 11h00)

Teatro Municipal Mirita Casimiro
Av. Fausto de Figueiredo MONTE ESTORIL                  

Fotografias | Teatro Municipal Mirita Casimiro
© Ricardo Rodrigues


Materiais de Divulgação