TEC
Teatro Experimental de Cascais

BRUSCAMENTE NO VERÃO PASSADO

 de Tennessee Williams

Fotografias © Ricardo Rodrigues

TEC Teatro Experimental de Cascais
165ª produção | 2020 

BRUSCAMENTE NO VERÃO PASSADO
de Tennessee Williams
versão | dramaturgia Graça P. Corrêa
encenação Carlos Avilez
cenografia | figurinos Fernando Alvarez
desenho de luz Rui Monteiro
desenho de som surround Hugo Neves Reis
assistência de encenação | direcção de cena Rodrigo Aleixo
interpretação Bárbara Branco, Bernardo Souto, João Gaspar, Lídia Muñoz, Luísa Salgueiro, Manuela Couto, Teresa Côrte-Real

distribuição
VIOLET VENABLE - mãe de Sebastian MANUELA COUTO
Dr. CUKROWICZ - psiquiatra BERNARDO SOUTO
Miss FOXHILL - secretária da Sra. Venable LÍDIA MUÑOZ
GEORGE HOLLY - irmão de Catharine JOÃO GASPAR
Sra. HOLLY - mãe de Catharine TERESA CÔRTE-REAL
CATHARINE HOLLY - sobrinha da Sra. Venable BÁRBARA BRANCO 
Irmã FELICITY - cuidadora de Catharine em St. Mary LUÍSA SALGUEIRO


Bruscamente no Verão passado é considerado o texto cénico mais chocante de Tennessee Williams, sendo frequentemente o alvo favorito dos detratores da sua dramaturgia. Na época em que estreou, em 1958, a peça foi apreciada pela sua estrutura dramática aparentemente simples, mas ao mesmo tempo detestada pelo seu conteúdo "perturbador" de homossexualidade, violação, loucura e canibalismo. Poucos souberam reconhecer que se trata de um dos "romances Góticos mais férteis e rigorosamente compostos por Williams", nas palavras de Vincent Canby, critico do New York Times; e que contém algumas das cenas mais poéticas e evocativas da obra de Williams. Bruscamente no Verão passado é uma história envolta em mistério. Tal como o Dr. Cukrowicz, psiquiatra que é convidado a dar o seu veredicto sobre o estado psíquico de Catharine, somos levados enquanto espectadores a entrar na estranha casa de Violet Venable e a descobrir lentamente o caminho para a verdade do que aconteceu com o seu filho Sebastian Venable, falecido subitamente no Verão passado em circunstâncias atrozes e inexplicáveis. Tal como Cukrowicz e Violet, todas as restantes personagens da peça parecem-nos atormentadas por um "horror" interno, contra o qual lutam para esquecer ou manter à distância ideias e experiências que não querem tornar conscientes.  


10 JUL. a 2 AGO.
Ter. a Dom. 21h30

Teatro Municipal Mirita Casimiro
Av. Fausto de Figueiredo, Estoril


3 e 4 JUL. 21h00
5 JUL. 16h00

37º Festival Teatro de Almada
Teatro Municipal Joaquim Benite

informações e reservas: acontecenotec@tecascais.com 968 780 966 - Terça a Domingo 18h00 às 21h30