TEC

Teatro Experimental de Cascais

em cena

ÚLTIMOS REMORSOS ANTES DO ESQUECIMENTO
de JEAN-LUC LAGARCE 

© Ricardo Rodrigues

179ª produção | 2024

de JEAN-LUC LAGARCE
tradução ALEXANDRA MOREIRA DA SILVA
dramaturgia | revisão | programa GRAÇA P. CORRÊA
encenação | dramaturgia ELMANO SANCHO
cenografia | figurinos FERNANDO ALVAREZ
desenho de luz ALEXANDRE COSTA
desenho de som surround | operação de som HUGO NEVES REIS
assistência de encenação RENATO PINO
direção de cena SÉRGIO SILVA
produção RAUL RIBEIRO
direção de montagem RUI CASARES
operação de luzes JORGE SARAIVA
montagem CARLOTA GONZALEZ
assistência de montagem ANDRÉ NEVES
costura de figurinos ROSÁRIO BALBI
fotografias de cena | materiais gráficos RICARDO RODRIGUES
secretariado MARIA MARQUES
contabilidade ANA LANDEIROTO
auxiliar de manutenção CLARISSE RIBEIRO
bilheteira CARLOTA GONZÁLEZ
frente-de-casa FRANCISCO FIGUEIREDO

interpretação BEATRIZ FERREIRA, ELMANO SANCHO, MARIA JOÃO FALCÃO, PAULO PINTO, SÉRGIO SILVA, SÍLVIA FILIPE

Uma casa de campo, derradeiro vestígio da relação amorosa de Hélène, Paul e Pierre.
Os ideais de juventude outrora partilhados e o amor incondicional não resistem à usura do tempo.
Hélène e Paul saem. Casam, separadamente. Refazem as suas vidas.
Pierre fica na propriedade, onde ainda vive, sozinho.
(...)
É domingo.
Uns anos depois.
O trio reencontra-se, com as suas respetivas famílias, para decidir da venda da casa adquirida em conjunto.
As feridas e as mágoas regressam. Incapazes de se entenderem, de se explicarem, dilaceram-se: a linguagem falha na tentativa de alcançar uma reconciliação.
O que resta? O desconforto, a tristeza e o silêncio.

duração do espetáculo 90 min.
M/14

27 MAR. a 28 ABR.
Qua. a Sáb. 21h00 | Dom. 16h00
TEATRO MUNICIPAL MIRITA CASIMIRO

Sessão Refood 6 abril
Sessão com Língua Gestual Portuguesa 12 abril
Conversa com o público 21 abril

reservas | informações
E.: acontecenotec@tecascais.com | T.: 214 670 320 / 968 780 966 (2 horas antes de cada sessão)

preço normal 15€
redução > 65 anos, profissionais de espetáculo 10€
redução estudantes de artes 5€


Bilhetes BOL AQUI 


DIA MUNDIAL DO TEATRO

Um dia importante para o teatro que se faz em todo o mundo.

Aguardei este dia para agradecer as inúmeras mensagens que recebi quando do falecimento do nosso querido Carlos Avilez. Tem sido difícil não só para mim, assim como para toda a família TEC, a falta desta figura tão importante na vida de todos nós pelo facto de o admirarmos não só pelo seu talento como homem de teatro, como também pela admiração que ele tinha por todos os que, como ele, amavam esta maravilhosa profissão. A solidariedade que recebi de colegas de outras companhias, assim como do público em geral, assim como de jovens atores que tiveram o privilégio de o ter como professor, é para mim inesquecível. Também agradeço em nome de toda a nossa companhia as mensagens recebidas de diversos organismos ligados à cultura que constituem a vida portuguesa. Deixo um especial obrigado pelo respeito que a Câmara Municipal de Cascais demonstrou, na pessoa do seu presidente, Dr. Carlos Carreiras, ao decidir atribuir "dia de luto municipal" de homenagem ao Carlos Avilez.

O presente e o futuro da Escola Profissional de Teatro de Cascais e do Teatro Experimental de Cascais

Ao longo deste mês tenho recebido centenas de mensagens e telefonemas com a mesma pergunta e também preocupação: quem substitui o Carlos Avilez nestas duas instituições? Na verdade, passados 4 meses posso afirmar que a decisão sobre as personalidades escolhidas será divulgada no próximo dia 2 de abril. Foi esta a informação que me foi transmitida pelo Prof. Salvato Teles de Menezes, Presidente e Diretor-Delegado da Fundação D. Luís I,

Um agradecimento

Não quero, nem posso deixar de agradecer nesta fase de transição à Dra. Ana Clara Justino, diretora pedagógica da Escola Profissional de Teatro de Cascais, e ao diretor financeiro, Dr. Bernardo Beja, assim como a todos os colaboradores da escola, o empenho e o respeito pela obra que o Carlos ergueu com entusiasmo naquela escola, onde foram formados centenas de jovens que aprenderam com ele a admirar e a respeitar a maravilhosa arte do teatro. Nesta fase de transição foi também notável o difícil trabalho de dar continuidade ao projeto deixado pelo Carlos Avilez pelo nosso colaborador e amigo Fernando Alvarez. Neste difícil momento todos os colaboradores do TEC têm sido notáveis de forma a que a continuidade deste projeto iniciado por nós em 1965 não acabe. Peço aos novos dirigentes que tenham sempre presente que só se justifica a continuidade destes dois projetos culturais se continuarem a ter a qualidade e o rigor que o Carlos Avilez tinha como criador. Gostaria também de agradecer aos órgãos da comunicação social que dedicaram palavras de apreço pela obra do Carlos Avilez.
Não é fácil substituir uma personalidade com a dimensão e a importância cultural desta grande figura que marcou a vida de todos quanto tiveram o privilégio de trabalhar e aprender com tudo o que nos ensinou.

Viva o Teatro!

João Vasco